Como fazer a contratação de seguro por meio de APIs?

Como vender seguro de proteção financeira?
Como vender seguro de proteção financeira?
6 de novembro de 2018
Como elaborar um plano de crescimento para e-commerce?
Como elaborar um plano de crescimento para e-commerce?
6 de novembro de 2018
Como fazer a contratação de seguro por meio de APIs?

A cada dia o mundo apresenta novas soluções em tecnologia que visam trazer mais segurança, melhores custos operacionais para as empresas e comodidade para os usuários. Seguindo essa tendência, as APIs chegaram a fim de oferecer agilidade e revolucionar diferentes setores como o e-commerce, os games e até mesmo a contratação de seguros, conhecida por seus processos longos e burocráticos.

De forma resumida, as APIs são códigos desenvolvidos com o intuito de automatizar metodologias e estabelecer a comunicação entre diferentes plataformas. Seu principal objetivo é simplificar a integração entre sistemas se adequando ao perfil dos usuários e necessidades requeridas por determinadas interfaces.

Neste artigo, explicaremos para você o que são APIs, suas aplicações e como elas podem auxiliar no mercado de seguros. Acompanhe!

O que são APIs?

Relacionamentos, trabalho, consumo e informação. A cada dia as pessoas estão mais conectadas ao mundo virtual. Certamente, você já deve ter ouvido falar das APIs e mesmo sem saber ao certo o que é, com certeza já fez uso dessa tecnologia mais de uma vez.

Com origem do inglês “Application Programming Interface”, o termo API diz respeito às ferramentas que possibilitam a troca de informações entre diferentes sistemas. De modo geral, essas interfaces funcionam como fios condutores que conectam computadores, sites, aplicativos e outros dispositivos sem que seja necessária uma intervenção humana.

Essas programações são desenvolvidas para possibilitar que uma empresa ou site crie e forneça códigos com a finalidade de interagir e se associar a outras companhas, sites ou desenvolvedores. Para que isso de fato aconteça, é preciso que organizações e startups liberem suas APIs com o intuito de que outros profissionais possam adaptá-los e desenvolver novos serviços que serão integrados a eles.

Por meio das APIs é possível conciliar aplicações e outras ferramentas para serem usadas de acordo com a forma que se adéque melhor às necessidades de determinado público ou instituição.

Por exemplo: as programações de uma API permitem que os usuários realizem processos dentro de uma interface e, sem que as pessoas sequer percebam, uma série de comandos são executados para conectar diferentes servidores e mecanismos. Graças a essa tecnologia é possível realizar uma compra ou a contratação de um serviço pela internet de forma simples e totalmente automatizada, captando e transmitindo informações de servidores distintos.

Quais são os principais tipos de APIs?

Atualmente, o mercado dispõe de APIs públicas ou privadas que podem ser usadas em qualquer dispositivo que tenha conexão com a internet. Seu uso independe de sistema operacional, por exemplo. Isso possibilita o desenvolvimento de modelos de negócios com mais agilidade e com perfis cada vez mais inovadores.

As públicas são aquelas de uso livre ou que permitem aos desenvolvedores adquirir seus serviços por um determinado limite de acessos. O mercado estima que, hoje, existam cerca de 15 mil APIs públicas. Já as privadas são aquelas desenvolvidas exclusivamente para uso de uma empresa. Criadas sob medida para as instituições, essa modalidade é utilizada a fim de alimentar e automatizar seus processos internos.

Conheça alguns exemplos

Como já vimos anteriormente, as APIs são utilizadas nos mais diferentes canais e suportes, sendo eles do mundo digital ou até mesmo em sistemas operacionais, podendo ser aplicados nos mercados de B2B ou B2C.

A seguir, separamos alguns dos exemplos mais conhecidos de empresas e serviços que utilizam esse recurso para aprimorar seus negócios e criar melhores experiências para seus usuários.

1. Windows

Dentro do sistema existem aplicativos como a função relógio. Nesse caso, uma API será responsável por exibir essa função dentro de outros aplicativos do programa ou incorporar novas funcionalidades às já existentes no mecanismo de relógio.

2. Google Maps

Esse talvez seja um dos melhores exemplos do que é e como funciona uma API. Ele dispõe de uma complexa codificação que permite a usabilidade de sua interface de mapas em diferentes plataformas, servidores etc. Para esses casos, existe um código original que pode ser adaptado para o uso de acordo com as demandas de cada audiência. Graças aos códigos fornecidos pelo Google Maps, por exemplo, aplicativos como 99, Uber, Correios ou Cabify podem integrar o serviço de geolocalização do Google às suas interfaces.

3. Decolar

Toda a informação transmitida aos usuários por meio do site de viagens foi antes verificada por uma API que comparou os dados com os de outras empresas parceiras da plataforma. A cada nova consulta de preços, por exemplo, uma série de APIs são acionadas para verificar questões como valor, data, horário, disponibilidade e companhias aptas a oferecer determinado serviço.

4. UPS

A companhia especializada em logística para entregas tem o Shipping API, uma programação que permite a integração de serviços de frete dentro de um e-commerce. Esse recurso é a solução perfeita para empresas que precisam integrar diferentes prestadores de serviços de entrega.

5. Buscapé

O portal disponibiliza em seu portal para desenvolvedores o acesso à sua API de comparação de preços, permitindo a utilização de sua base de produtos, que pode ser usada em aplicativos, sites ou plugins.

Como a contratação de seguro se beneficia com o uso de APIs?

Para muitos contratantes, renovar ou cotar um novo seguro para casa, carro ou de vida pode ser um verdadeiro tormento. Esse momento exige o envio de uma infinidade de dados e informações, e essa burocracia faz com que os processos sejam desgastantes e demorados.

No mercado de seguros, as companhias que já começaram a pensar na integração de seus sistemas darão muitos passos à frente da concorrência.

Pela ótica das empresas, o aumento da capilaridade perante o mercado está entre os principais setores impactados pela automatização dos processos no segmento de seguros. Esse conceito remete à abrangência que o seu negócio tem no mercado em que atua, e a melhor forma de alcançar esse resultado é criando uma rede de parceiros sólida e integrada.

Já pelo viés dos consumidores, sejam eles de B2B ou B2C, oferecer a digitalização dos seguros e a integração de sistemas por meio de APIs cria experiências mais amigáveis para os usuários. Essa automação permitirá às empresas criar métodos de pagamento, monitoramento pós-venda e contratação muito mais dinâmicas, além de reduzir os custos operacionais com essas transações.

No sentido da automatização de processos, o setor de contratação de seguro ainda está muito atrasado. Em sua maioria, as empresas investem pouco, ou quase nada, em tecnologia da informação. Contudo, por meio da implantação de APIs, o segmento pode dar grandes saltos em termos de desburocratizar metodologias e acompanhar as transformações no comportamento de consumo do público.

E você, o que achou deste artigo? Quer conhecer mais sobre APIs e como aplicá-las no mercado de seguros? Entre em contato conosco e tire suas dúvidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *